domingo, 29 de março de 2015

Chia: a semente que emagrece e reduz gordura


Ela manda a fome embora e é capaz de controlar a glicemia e baixar o colesterol

Grãos de chia - Foto: Getty Images
Grãos de chia
A chia (Salvia hispanica L.) é uma planta herbácea da família das lamiáceas, da qual também fazem parte o linho e a sálvia, tanto que é conhecida com "salvia hispânica". Originária do México, suas sementes já eram utilizadas como alimento pelos povos das civilizações da América Central há muitos séculos. A importância do consumo desta semente tem sido reforçada por especialistas em nutrição humana, uma vez que nela são encontrados ácidos graxos poli-insaturados essenciais, fibras, proteínas e outros nutrientes. Mas a fama notória da chia foi conquistada graças aos seus efeitos sobre a dieta, pois a semente é capaz de favorecer o emagrecimento. Consumi-la significa colher uma lista de benefícios, que incluem desde regular as taxas de colesterol sanguíneo até fortalecer o sistema imunológico.
Semente de chia - Por 25 g (uma porção)
Calorias122 kcal
Carboidratos10,53 g
Proteínas4,14 g
Gorduras7,69 g
Gorduras saturadas0,833 g
Gorduras monoinsaturadas0,577 g
Gorduras poli-insaturadas5,917 g
Fibras8,6 g
Cálcio158 mg
Fósforo215 mg
Magnésio84 mg
Potássio112 mg
Ferro1,93 mg
Zinco1,15 mg
Vitamina A14 UI
Vitamina B1 (Tiamina)0,155 mg
Vitamina B2 (Riboflavina)0,043 mg
Vitamina B3 (Niacina)2,208 mg
Tabela do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

A chia pode ser facilmente consumida junto a saladas ou na mistura de sucos e vitaminas, além de outras receitas, na quantidade de duas colheres de sopa, que equivale a 25 gramas. Ela contém alto teor de ácidos graxos poli-insaturados essenciais, tipos de gorduras consideradas benéficas ao organismo, sendo rica em ácido graxo alfa-linolênico, também conhecido como ômega 3.
Ela também contém carboidratos considerados de baixo índice glicêmico, pois aproximadamente 34,4% da porção de 100 g da semente é composta por fibras alimentares. Por fim, a semente ainda contém compostos fenólicos sendo considerada uma fonte natural de antioxidantes. Entre eles estão o ácido cafeico e ácido clorogênico. 
Sua semente é considerada como uma boa fonte proteica por possuir um alto teor de proteínas, sendo em sua maior parte aminoácidos essenciais, ou seja, aqueles que não são produzidos pelo nosso organismo (isoleucina, leucina, lisina, metionina, fenilalanina, treonina, triptofano, valina e histidina). Para se ter uma ideia, precisamos consumir cerca de 50 gramas de proteínas todos os dias de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), considerando uma dieta de 2 mil calorias diárias. Isso significa que 25 gramas de chia contém 8% da proteína que precisamos em um único dia. 
Mas a chia transborda mesmo em quantidade de fibras, duas colheres de chia contêm 8,6 g delas. Como temos que consumir 25 gramas dessas substâncias ao dia, isso quer dizer que uma porção tem 34% das fibras de que precisamos diariamente! Veja qual porcentagem do Valor Diário* de alguns nutrientes ela também carrega:
  • 32% de magnésio
  • 16% de zinco
  • 15% de cálcio
  • 13% do ferro
  • 13% de vitamina B3 (niacina)
  • 12% de vitamina B1 (tiamina)
  • 3% de vitamina B2 (riboflavina).
* Valores Diários de referência para adultos com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8.400 kJ. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas.

Benefícios da chia

Ajuda a emagrecer: um dos motivos que fazem da chia uma grande aliada na perda de peso está na sensação de saciedade que a semente proporciona. Suas fibras têm a capacidade de absorver muita água, transformando-se em uma espécie de gel. É só fazer o teste, deixando uma porção de molho num copo para perceber a semente inchando em pouco tempo. Quando é ingerida, a reação é semelhante. Em contato com os sucos gástricos, suas fibras se transformam nesse gel, que aumentam a dilatação do estômago. É esse mecanismo um dos fatores que favorecem a saciedade e, consequentemente, acarreta um menor consumo de alimentos.
Além disso, o consumo regular de chia pode ser benéfico para evitar a formação de gordura localizada, outra grande inimiga de quem luta contra os ponteiros da balança. Um estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition validou uma pesquisa em que onze indivíduos saudáveis consumiram a semente por 12 semanas e obtiveram redução na glicemia após a refeição, ou seja, não houve picos de insulina no sangue, sendo assim, a glicose foi liberada lentamente no organismo. Tal processo evita que a gordura seja acumulada e, por consequência, afasta o excesso de peso. Os participantes do estudo também relataram diminuição do apetite até 120 minutos após o consumo da refeição, diferentemente dos indivíduos que não consumiram a chia, mostrando assim seu efeito no aumento da saciedade.
Previne e controla o diabetes: por conter fibras e aumentar o tempo de liberação da glicose, a chia pode ser relacionada com a prevenção do diabetes tipo 2. Funciona da seguinte forma: a digestão dos carboidratos começa na boca e termina no intestino, onde partes maiores de carboidrato são transformadas em tipos diferentes de açúcar (glicose, frutose, galactose) para serem absorvidos. Quando consumida com fontes de carboidratos (frutas, massas, pães), as fibras da chia têm como efeito a diminuição da velocidade com que o carboidrato sai do estômago e chega ao intestino, para terminar de ser digerido e absorvido, justamente por se transforarem em um gel. Dessa forma, a glicose é liberada lentamente na corrente sanguínea, fazendo com que o hormônio insulina, necessário para transportá-la até as células, também seja liberado em pequenas doses. A vantagem de tudo isso é que com menos doses desse hormônio circulando no organismo, evita-se assim uma condição chamada resistência à insulina. O quadro ocorre quando é preciso uma quantidade maior do composto para que a mesma quantidade de glicose seja armazenada, e em longo prazo favorece o aparecimento do diabetes tipo 2. 
Previne doenças cardiovasculares: o consumo regular de chia é capaz de evitar doenças como infarto, derrame e hipertensão graças as suas grandes quantidades de ômega 3. Esse ácido graxo reduz a formação de coágulos sanguíneos e arritmias, além de diminuir o colesterol circulante no sangue. Além disso, o ômega-3 ajuda na regulação da pressão dos vasos sanguíneos, uma vez que aumenta a fluidez sanguínea, evitando assim, o aumento da pressão arterial. 
Regula o colesterol: de toda gordura que compõe a chia, aproximadamente 77% são formados por ácidos graxos ômega 3 e ômega 6. Essas gorduras têm como uma de suas principais propriedades reduzir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o colesterol bom (HDL), além de baixar os triglicérides na corrente sanguínea. Além disso, as fibras da semente também têm efeito benéfico na diminuição da concentração dos lipídios no sangue, que é o caso do colesterol. 
Efeito desintoxicante: os antioxidantes, como o ácido cafeico, de sua composição, são responsáveis por auxiliar na desintoxicação do fígado, além de impedir a formação de radicais livres que agem destruindo as membranas celulares e desencadeando o processo de envelhecimento. 
Fonte de cálcio: por ter bastante cálcio, a chia é uma alternativa para indivíduos que têm intolerância à lactose, necessitando de fontes alternativas desse mineral. Porém, alimentos como tofu e gergelim contêm maiores quantidades de cálcio, e vale consumi-los também. 
Protege o cérebro: ela também pode favorecer as ligações cognitivas no cérebro. Muitos estudos relacionam os ácidos linoleico e alfa-linolênico presentes na semente com a formação das membranas celulares, as funções cerebrais e a transmissão de impulsos nervosos. 
Pele e cabelos mais bonitos: em sua composição nutricional, a chia também apresenta vitamina A, nutriente que age como antioxidante contra os radicais livres e também auxilia na redução da acne e prevenção do ressecamento da pele. A semente também leva vitamina B2, importante na saúde da pele, unhas e cabelos. 
Efeito anticelulite: já se sabe que a chia contém quantidades significativas de ômega 3 e muitos estudos têm relacionado o consumo desse ácido graxo com a diminuição da inflamação, o que seria interessante para diminuir e evitar celulite, um processo inflamatório do organismo.  
Fortalece a imunidade: por conter minerais como o selênio e zinco, que auxiliam o sistema imunológico, a chia é importante para reforçar as defesas, afastando de perto doenças como gripes, resfriados e processos infecciosos. Além disso, por ter nutrientes como fósforo, manganês, cálcio, potássio e sódio, a semente é indispensável para a manutenção da integridade e saúde das células. 
Boa fonte de ferro: o mineral, presente em grande quantidade na chia, é muito bem absorvido nesse alimento. Ele é o principal nutriente na formação dos glóbulos vermelhos, que transportam o oxigênio pelo nosso corpo. A redução desses glóbulos e da oxigenação levam à anemia, fadiga e cansaço, aumenta os riscos de infecções e também se relaciona a uma queda na imunidade.

Quantidade recomendada de chiOs especialistas dizem que não há uma quantidade diária estabelecida para o consumo da chia. No entanto, estudos conduzidos em humanos que obtiveram resultados positivos utilizaram 25 g da semente, aproximadamente duas colheres de sopa, uma vez ao dia. Cabe salientar que alguns usaram mais. Mas como ela é calórica, o mais recomendado é manter os 25 g diários. 


Como consumir a chia

Ela pode ser consumida crua, triturada ou em forma de gel ou na forma de óleo. A semente mantém suas propriedades em todas estas formas de consumo. Veja como usá-la: 
Salada de chia e quinua - Foto: Getty Images
Salada de chia e quinua
Em forma de gel: deixe uma colher de sopa da semente de molho em 60 ml de água durante aproximadamente 30 minutos. O ideal é consumir o gel assim que ele estiver formado, não sendo recomendado guardar a mistura para comer depois. Depois que a goma é formada, você pode consumi-la na forma pura sem acompanhamentos (ainda que seja pouco comum) ou usá-la no preparo de mingau, sopas, batida em sucos ou em receitas de bolo e até adicionando à molhos de massas, por exemplo. 
Substitua os ovos das receitas: o gel formado pela chia pode ser um ótimo substituto do ovo em receitas. Misturando uma colher de sopa da farinha de chia com 60 ml de água, você obtém uma quantidade de gel suficiente para substituir um ovo em qualquer preparação.
Semente seca: em vez de produzir o gel, você pode fazer diferente e adicionar a semente a líquidos como sucos, iogurtes e vitaminas. Uma sugestão é comer a porção no lanche entre as refeições, pois um pote de iogurte desnatado (160 ml) com uma colher de sopa de chia contém apenas 70 calorias. 
Óleo da chia: ele pode ser usado para temperar saladas ou para regar a refeição quando já estiver no prato. O aquecimento do óleo de chia não é recomendado, pois o ômega 3 é facilmente oxidado com o calor, perdendo assim suas propriedades. 
Na forma de farinha: a farinha pode ser misturada a frutas, sopas, mingaus e sucos de forma mais prática. Esta versão também pode substituir a farinha de trigo no preparo de receitas de pães e bolos. Outra boa pedida é comprar o grão, liquidificar, acondicionar a farinha em um pote e armazenar em geladeira para depois consumir junto da salada.
Chia sozinha ou com outros grãos? Normalmente as pessoas misturam grãos fontes de nutrientes diferentes, para atingir um benefício específico, nem sempre promovido por todos os grãos do mix. Com benefícios à saúde próximos ao da chia, temos a linhaça, o gergelim e o girassol. Mas não é recomendado consumir uma porção de cada uma deles por dia, devido à alta quantidade de calorias que essas sementes possuem. Sendo assim, uma solução pode ser fazer um mix destes grãos e consumir até 25g do mix ao dia.

Compare a chia com outros alimentos

  • Em relação à gordura, ela só perde da linhaça que contém 32,3 g em 100 g de alimento enquanto a chia tem em sua composição 30,74 g em 100 g. Mas vale lembrar que grande parte dessa gordura é proveniente de ômega-3 e omêga-6, benéficos para saúde e que equilibram as taxas de colesterol.
  • Se compararmos, porém os ácidos graxos dos peixes de águas profundas, como o salmão, e dos vegetais, existem diferenças. O ômega-3 de origem animal contém mais componentes EPA (ácido eicosapentaenoico) e DHA (ácido docosahexaenóico) do que os de origem vegetal, que não produzidos por nosso organismo e trazem mais benefícios à saúde cardiovascular.
  • A chia contém 631 mg de cálcio em 100 g. Mas vale lembrar que apesar de 100 gramas da semente terem mais cálcio do que um copo de leite integral (234 mg), é contraindicado consumir toda essa quantidade do grão, e o mineral do leite é mais facilmente absorvido pelo nosso organismo. Uma porção diária de chia (ou seja, 25 g) tem 158 gramas de cálcio, perdendo para o leite. E seria preciso mastigar muito bem o grão para dispor de todo o mineral que ele contém. Isso torna a semente uma boa opção para quem não pode consumir lactose e precisa de cálcio.
  • A semente também contém 112 mg de potássio e 84 mg de magnésio em 25 g enquanto o farelo de trigo (obtido como sobra do processo de refino do trigo, que dá origem à farinha de trigo) não apresenta nenhum dos dois micronutrientes. O magnésio é um mineral que não faz falta em pessoas que consomem as cinco porções recomendadas de vegetais, pois é abundante nesses alimentos. Porém, como a maior parte dos brasileiros não consome os 400 gramas de vegetais e frutas diários indicados pelo Ministério da Saúde (cerca de 90% de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE), ela é uma boa alternativa para não perder o mineral.
  • A chia é considerada uma boa fonte de ferro, pois além de ter o mineral em alta quantidade, ele é mais fácil de ser absorvido na semente do que em alguns vegetais, pois eles acabam presos em uma substância chamada fitato. 25 g de chia contêm 1,93 g de ferro, 65 g de espinafre (o que equivale à quantidade recomendada de folhas verdes escuras para um dia) têm 1,77 g do mineral.
Na tabela abaixo você compara a semente com a quinoa, o trigo, a aveia, a linhaça e o amaranto - cinco outros grãos consumidos pelos brasileiros:
Nutrientes (100 g do grão)AveiaFarelo de TrigoQuinoaAmarantoChiaLinhaça
Calorias394 kcal360 kcal380 kcal373 kcal485 kcal495 cal
Carboidratos67 g76 g68,8 g64 g42,12 g43,3 g
Proteínas14 g10 g13,11 g13,5 g16,54 g14,1 g
Gorduras8 g2 g5,77 g6,89 g30,74 g32,3 g
Fibras9,1 g2 g6 g6,67 g34,4 g33,5 g
Cálcio48 mg18 mg129 mg160 mg631 mg211 mg
Potássio336 mg--740 mg509 mg407 mg869 mg
Fósforo153 mg--411 mg558 mg860 mg615 mg
Magnésio119 mg--211 mg249 mg335 mg347 mg
Ferro4,4 mg4,2 mg9,33 mg7,5 mg7,72 mg4,7 mg
Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos (TACO) - versão 2, UNICAMP.
Fonte sobre dados nutricionais da chia: Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Contraindicações

Não há contraindicação ao consumo da chia, porém suplementos devem ser utilizados somente com prescrição médica ou nutricional.

Riscos

A chia é um carboidrato, apesar de conter fibras, em excesso, pode levar ao aumento de peso, constipação intestinal (principalmente se o indivíduo não tomar quantidade suficiente de água) e pode levar a desconfortos gástricos uma vez que retarda a saída dos alimentos do estômago.

O consumo excessivo de fibras pode interferir negativamente na absorção de minerais como cálcio e zinco.
Fonte;Minha Vida

quarta-feira, 25 de março de 2015

Como comer menos: dicas simples e fáceis de seguir


Se você já está há muito tempo brigando contra a balança, e deseja saber como comer menos, convido-lhe a me acompanhar nesse artigo.
Eu vou te dar algumas dicas bem simples e fáceis de seguir que podem te ajudar a controlar a quantidade de comida que você ingere diariamente. Vamos lá?!

Dicas sobre como comer menos

Essas dicas sobre como comer menos são muito fáceis de implementar. Você pode começar a utilizá-las hoje mesmo, e se aliá-las a uma alimentação balanceada e saudável, certamente conseguirá obter excelentes resultados.

1 – Coma devagar e se concentre na comida

Se você costuma comer vendo televisão, ou mexendo no computador, então pare de fazer isso imediatamente.
como comer menosQuando você faz outras tarefas enquanto se alimenta, seu cérebro fica distraído, e isso acaba prejudicando a sua capacidade de controlar a quantidade de comida que está sendo ingerida. O resultado disso é que você acaba comendo demais.
Comer rápido demais também favorece a comilança.
O seu cérebro demora de 15 a 20 minutos, a partir da primeira garfada, para perceber que o seu estômago está cheio. Assim, quando você come rápido demais, acaba consumindo uma grande quantidade de alimento nesse espaço de 15 a 20 minutos. E claro, isso aumentará o seu peso.
Quando você for se alimentar, procure comer devagar, mastigue bem os alimentos, e sinta a comida na sua boca. Concentre-se na comida, e não em outra coisa. Isso ajudará o seu cérebro a dosar a quantidade de alimento ingerida.

2 – Coma em um prato pequeno e vermelho

Essa dica pode parecer um pouco estranha, mas na verdade ela faz bastante sentido.
Comer em um prato pequeno ajuda a evitar comilanças, pois ele cabe menos alimento. Assim, ao ver o prato cheio, o seu cérebro entende que aquilo é muita comida, mesmo ela estando em um prato menor, dessa forma, fica mais fácil comer menos sem sofrer com o sentimento de privação comum às pessoas que fazem dietas.
A cor vermelha está presente na cabeça das pessoas como uma cor que remete a sinais de alerta. Além disso, ela remete à ideia do “pare” do semáforo. Assim, pratos e copos vermelhos podem ajudar a reduzir o apetite em até 40%. Pelo menos é o que dizem os pesquisadores suíços e germânicos que conduziram um estudo que teve como objetivo testar essa teoria.

3 – Beba mais água

O sinal da sede é o mesmo da fome, portanto, é preciso tomar cuidado para não confundir vontade de beber água com vontade de comer alguma coisa.
O ideal é você comer de 3 em 3 horas, e se sentir vontade de comer algo antes de completar as 3 horas, beba água, pois seu corpo pode estar pedindo líquido, e não comida.

4 – Coma proteínas em todas as refeições

Vários estudos já demonstraram que consumir proteínas, principalmente no café da café, ajuda a controlar a fome durante o dia.
As proteínas trazem saciedade, e isso significa que quando você consome alimentos ricos em proteínas, se sente satisfeito por mais tempo.
O ideal não é concentrar a ingestão de proteínas somente no almoço e jantar, como ensinam algumas dietas. Procure espalhar o consumo de proteínas uniformemente ao longo do dia.

5 – Mantenha as tentações longe dos seus olhos

Se você tem dificuldades para segurar aquela vontade de devorar alimentos altamente calóricos, como batata-frita, salgadinhos, doces e biscoitos, a melhor coisa que você pode fazer é deixar esses alimentos bem longe da sua vista.
Quando os alimentos estão fora do nosso campo de visão, fica muito mais fácil controlar a vontade de comê-los. Mas se você deixa essas tentações à vista, ou seja, toda hora você se depara com elas, aí realmente fica muito difícil segurar a vontade de devorá-las.
O ideal mesmo é evitar comprar esse tipo de alimento, mas se você já os tem em casa, trate de escondê-los em locais menos acessíveis.

6 – Não use a comida para combater o estresse e a tristeza

Se você costuma usar a comida como uma fonte de conforto quando está passando por momentos difíceis e estressantes, pare de fazer isso agora.
Os alimentos não foram feitos para consolar ninguém, portanto, quando você estiver se sentindo mal, saia da cozinha e vá visitar alguém, ou vá fazer uma caminhada.
Nos momentos difíceis e tensos, os alimentos podem até trazer uma sensação de prazer e conforto, porém, essa sensação vai embora rapidinho, e dá lugar a um sentimento de culpa bem pior que o sentimento que te levou a comer sem precisão.

7 – Coma comida de verdade

A maioria dos alimentos industrializados possuem componentes químicos que prejudicam a nossa saúde e interferem no nosso mecanismo de saciedade. Esses alimentos atrapalham o trabalho do cérebro, e isso muitas vezes nos leva a comer em excesso.
Evite ao máximo o consumo desse tipo de alimento. Dê sempre preferência à comida de verdade, ou seja, aquela pura, sem conservantes, espessantes, aromatizantes, etc.

Sucos para emagrecer e perder barriga: receitas fáceis


Que tal alguns sucos para emagrecer e perder barriga que são fáceis de fazer e que podem ser incluídos no seu dia-a-dia de maneira simples?
Veja abaixo como fazer 07 sucos potentes que podem ajudar você a acabar com a gordura corporal sem sofrimentos.

Por que os sucos podem ajudar você a emagrecer e perder barriga?

Os sucos que você aprenderá a fazer reúnem ingredientes que possuem propriedades antioxidantes e que podem ajudar a diminuir a gordura corporal. Além disso, eles ajudam a eliminar gases e facilitam o trânsito intestinal.
Nos sucos, os ingredientes que ajudam a emagrecer e perder barriga estão todos reunidos, e você os consome ao mesmo tempo, isso potencializa os efeitos desses ingredientes, promovendo resultados mais rápidos e satisfatórios.
sucos para emagrecer e perder barriga

Receitas fáceis de sucos para emagrecer e perder barriga

Veja abaixo as melhores receitas de sucos para emagrecer e perder barriga. Faça as receitas como ensinado e tome os sucos nos horários indicados, assim você poderá perder até 06 kg em menos de 01 mês, e o melhor: sem comprometer a sua saúde.
Você deve tomar os sucos todos os dias, durante um período de 19 dias.
Para preparar os sucos basta colocar todos os ingredientes no liquidificador e bater.

Receita 1

Você deve tomar esse suco logo ao acordar, antes de comer qualquer outra coisa.
Ingredientes
  • ½ maçã
  • 04 folhinhas de hortelã
  • 200 ml de água de coco
  • ½ beterraba pequena
  • 01 pepino pequeno descascado
  • 01 cenoura pequena
Esse suco é rico em fibras, o que é ótimo para diminuir a fome. Além disso, os ingredientes presentes no suco ajudam a melhorar a circulação sanguínea. Para se beneficiar de todas as propriedades do suco você não deve coá-lo.

Receita 2

Esse suco deve ser tomado por volta das 10 horas da manhã.
Ingredientes
  • 200 ml de água de coco
  • Suco de 01 limão médio
  • 01 colher de sobremesa de semente de linhaça
  • 01 colher de sopa de albumina em pó
  • 01 fatia de abacaxi
  • 01 colher de sobremesa de semente de abóbora (as sementes devem estar sem pele)
Esse suco é excelente para diminuir o acúmulo de gordura no corpo e na região da barriga, esse efeito se deve principalmente a uma substância chamada betasitosterol, presente na semente de abóbora.

Receita 3

Você deve tomar esse suco 20 minutos antes do almoço.
Ingredientes
  • O suco de 01 limão
  • 03 folhinhas de hortelã
  • 200 ml de água de coco
  • 01 fatia de abacaxi
  • 01 rodela de nabo
O suco é rico em vitaminas e ferro, e os ingredientes presentes nele têm efeitos diuréticos, o que é bom para combater a retenção de líquido no corpo. Esse suco também melhora o funcionamento do intestino.

Receita 4

Tome esse suco por volta das 15 horas.
Ingredientes
  • 01 xícara de chá de centelha asiática
  • 01 xícara (chá) de chá branco frio
  • ½ maçã
  • 02 damascos
  • ½ colher de sopa de semente de girassol (as sementes devem ser sem pele)
Essa receita de suco proporcionará efeitos antioxidantes, e ajudará o seu corpo a queimar mais gorduras e combaterá a formação de células gordurosas no seu organismo.

Receita 5

Você deve tomar esse suco 20 minutos antes do seu jantar.
Ingredientes
  • ½ maçã verde
  • 200 ml de água de coco
  • 01 pera
  • 01 pepino pequeno descascado
  • 03 ramos de salsinha
Suco excelente para eliminar a gordura da pele, além disso, ele tem efeitos diuréticos e ajuda a acabar com a retenção hídrica.

Receita 6

Tome esse suco por volta das 21 horas.
Ingredientes
  • 02 ameixas pretas
  • 01 colher de sobremesa de semente de linhaça
  • 03 morangos
  • 200 ml de água de coco
  • 01 kiwi
  • Suco de 01 limão médio
  • 01 colher de sopa de farinha de uva
  • 02 colheres de sopa de gelatina de limão (pronta e diet)
Suco potente que ajuda a regular o intestino. Também tem efeitos antioxidantes, o que ajuda a combater o envelhecimento precoce.

Receita 7

Suco para você tomar antes de dormir.
Ingredientes
  • 01 maçã picada
  • 200 ml de água de coco
  • 01 limão descascado e picado
  • 02 folhas frescas de erva-cidreira
Suco que ajuda a controlar a ansiedade.

Considerações importantes sobre os sucos para emagrecer e perder barriga

receitas de sucos para emagrecerTodos os sucos indicados devem ser preparados e consumidos logo em seguida. Se você preparar e guardar, eles perderão suas propriedades benéficas.
Como já foi mencionado, você deve preparar os sucos e tomar da maneira indicada durante um período de 19 dias.
Não adianta nada tomar os sucos e continuar comendo porcarias. Para realmente conseguir bons resultados é necessário que você mantenha uma alimentação equilibrada e saudável.
Para potencializar os resultados, não se esqueça de praticar alguma atividade física. Fazer umacaminhada todos os dias já é um bom começo. 
Fonte:Emagrecimento Urgente.com